Estudos italianos mostraram que não é preciso ter anticorpos para derrotar o vírus.


Dois estudos feitos na Itália mostraram que não é preciso ter anticorpos para derrotar o vírus. Os dados são de pessoas com agammaglobulinemia, uma doença genética que as impede de produzir anticorpos. Diferentes estudos mostraram que vários infectados que sofriam dessa enfermidade superaram a covid-19 ―alguns mesmo sem sintomas graves―, o que provavelmente implica que eles geraram células imunes, possivelmente linfócitos capazes de localizar e matar as células infectadas.


Em pacientes com agammaglobulinemia, a evolução da COVID-19 foi caracterizado por sintomas leves, curta duração e sem necessidade de tratamento com um medicamento imunomodulador que bloqueia a IL-6 e teve um resultado favorável (ver artigo).


Um outro relatório sugere que pacientes com agammaglobulinemia podem apresentar alto risco de desenvolver pneumonia após a infecção por SARS ‐ CoV ‐ 2, mas podem se recuperar de uma infecção, sugerindo que a resposta das células B pode ser importante, mas não é estritamente necessária para superar a doença. No entanto, há necessidade de estudos observacionais maiores para estender essas conclusões a outros pacientes com defeitos imunes genéticos semelhantes (ver artigo).


Quando um vírus entra no corpo, é ativado um mecanismo no qual as moléculas de histocompatibilidade identificam diferentes fragmentos do patógeno ―antígenos― e as apresentam aos linfócitos. Centenas de antígenos diferentes podem ser gerados em cada infecção viral e para cada um haverá um linfócito que carregará esse retrato falado para identificar e destruir o vírus, no caso de encontrá-lo. E os linfócitos também têm memória; portanto, se o patógeno reaparecer semanas ou meses depois ―mesmo para a vida toda em algumas doenças― eles se lembrarão e poderão eliminá-lo.


Os estudos realizados até agora concentram-se em uma só parte da imunidade, a dependente de anticorpos, e há outra grande classe de imunidade que pode ser mais eficaz e da qual sabemos muito menos até agora: aquela que se baseia em vários tipos de células do sistema imunológico conhecidas como linfócitos. Entre todas elas há duas especialmente importantes: os linfócitos CD8 + capazes de matar as células infectadas e os CD4 +, essenciais para produzir novos anticorpos, caso o vírus retorne semanas ou meses após a superação da primeira infecção.


Um estudo alemão mostra que a resposta do sistema imunológico dos pacientes contra o novo vírus é muito variada. Os pacientes produziram muitos antígenos diferentes. Alguns identificam a proteína S com a qual o vírus se liga às células humanas para penetrá-las e sequestrar sua maquinaria biológica, outros identificam a membrana protetora que o recobre, outros se concentram em outras proteínas e juntos fazem um retrato completo do patógeno e um exército de células assassinas capazes de eliminá-lo. Essa resposta imune celular provavelmente ajuda a tornar a neutralização de patógenos completa e duradoura.



0 visualização

Razão Social: Albuquerque & Kirchhoff Nutrição CNPJ: 30545053/0001-59

Trav. Dom Romualdo de Seixas, 1698. Ed. Zion Business, loja 2. Umarizal - Belém/PA. CEP: 66055-200

Tel: (91) 998038116 / E-mail: contato@clubedanutricionista.com.br  

All rights reserved Clube da Nutricionista

 

Design by Lírio Web Digital